Na abertura dos trabalhos no Legislativo, prefeito Angelo Guerreiro presta contas e dá ordens de serviço

A manhã desta terça-feira (5) foi marcada pela abertura dos trabalhos na Câmara de Vereadores. Além dos 17 vereadores, o prefeito de Três Lagoas, Angelo Guerreiro, participou da 1ª sessão legislativa de 2024.

Durante a cerimônia, todos os vereadores usaram a tribuna para lembrar as ações que já foram executadas, reforçar demandas e também parabenizar a gestão pelas conquistas até aqui.

“É importante analisarmos algumas questões voltando ao tempo e refletir como era Três Lagoas 7 anos atrás e como está agora? Foi um avanço que merece ser reconhecido”, destacou o vice-prefeito, Paulo Salomão, agradecendo também aos vereadores pelo apoio ao longo desses anos.

O presidente da Casa Legislativa, Cassiano Rojas Mais, aproveitou para contar a sua trajetória ao longo da vida pública e citar a harmonia entre os vereadores. “É o que pode ser visto hoje, nessa sessão, quando todos reconhecem o comprometimento que essa gestão tem com a cidade”, reconheceu ele que, ao final de seu discurso, juntamente com todos os vereadores, entregou um cheque simbólico ao gestor municipal no valor de R$ 12.171.568,39, referente à economia dos vereadores na Casa de Leis no ano de 2023.

Ao usar a tribuna, Angelo Guerreiro lembrou que esse é o seu último ano como prefeito a participar da 1ª sessão legislativa, quando entrega uma mensagem à Câmara de Vereadores com a prestação de contas de todas as secretarias. Além disso, Guerreiro reforçou sobre a importância que todos os gestores que já estiveram à frente da Administração Municipal do Município tiveram em relação ao desenvolvimento da Cidade.

Ao falar das obras, o prefeito lembrou que “a nossa cidade está com várias em andamento e nós sabemos que isso causa transtornos aos moradores. É preciso ter calma, pois a importância maior é que as obras estão acontecendo”, explicou.

O gestor também discursou sobre a importância e responsabilidade de preparar o caminho para os próximos administradores, “nós vamos deixar obras em andamento e recursos carimbados para dois anos e meio”.